Luciana Aires Mesquita

Résumé – Luciana Aires Mesquita nasceu em 14 de fevereiro de 1970 em Catalão, Goiás, Brasil. Em 1991 obtém o bacharelado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e depois de trabalhar por dois anos no Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, ela chega à conclusão que sua alma prefere as Artes. Com novo entusiasmo, foi estudar teatro na mesma universidade. Fazendo pesquisas sobre mitologia hindu e com vontade de praticar as diferentes formas de teatro-dança das antigas culturas orientais, ela organiza uma viagem de nove meses para estudar no Japão, Índia e Indonésia, em 1995.

No Japão, estudou Butoh com Kazuo Ohno no Kazuo Ohno Dance Institute em Yokohama, e teve aulas particulares de Buyo com Kanich Hanayagi e Noh com Kanze Akio. Na Índia, ela se aventurou tendo aulas de Kathakali no Kerala Kalamandalam, em Cheruthuruthy. E em Bali praticou os princípios básicos de Baris, a dança do guerreiro. De volta ao Brasil, ela precisou de cinco meses para descansar, desenhar e escrever, sentindo a urgência de retornar às suas próprias origens ocidentais e à mitologia grega. Em 1997, ela termina o bacharelado em Artes Cênicas, escrevendo e atuando uma peça de teatro com os poemas de Guimarães Rosa, o grande poeta do sertão.

A peça, poética em sua natureza, desvela o silencioso escândalo da usina hidroelétrica de Serra da Mesa que foi construída inundando 91 sítios arqueológicos com centenas de pinturas rupestres, além de vastas áreas do cerrado e a cultura dos últimos Avá-Canoeiros. Convidada pelo Departamento de Artes Cênicas, ela ministra cursos de expressão corporal e outras pesquisas de teatro-dança que a conduziu a receber uma bolsa de intercâmbio pelo Ministério da Cultura para estudar e visitar o Odin Teatret na Dinamarca e o Panthéâtre, na França (1997-1998). Luciana se candidatou para o mestrado em Estudos Mitológicos com ênfase em Psicologia Profunda e ganhou a bolsa de estudos da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Viveu nos Estados Unidos por dois anos na Califórnia, estudando os mitos em profundidade e escreveu 24 artigos a serem organizados em um livro ainda a ser publicado. Obtém seu Mestrado em Artes (MA) pelo Pacifica Graduate Institute em 2001. Pacifica é o único instituto com programas de mestrado e doutorado específicos em mitologia e reside a biblioteca de Joseph Campbell, James Hillman, Marion Woodman e Christine Downing. Após conclusão, retorna ao Departamento de Artes Cênicas em Brasília, onde cria duas disciplinas em Estudos Mitológicos I e II, além de ministrar aulas em expressão corporal (2003-2004). Neste mesmo ano, ela lidera um grupo de indígenas brasileiros para a V Conferência das Américas em Espiritualidade Indígena, em Porto Rico.

Em 2003, ela produz, seleciona, traduz e interpreta os poemas persas de Rumi (séc. XIII), Hafiz (séc. XIV) e da poetisa goiana Cora Coralina (séc. XX), que estão gravados no CD “Rumi Hafiz Cora”, com música de Guilherme Vaz. Em maio de 2004, ela retorna à Grécia pela terceira vez, para fazer o curso Myth & Dream com Christine Downing e Stephen Ainzenstat, organizado pelo Pacifica Graduate Institute. Em 2005 ela inaugura a Mitoludens – onde deusas e deuses brincam! (www.mitoludens.com.br), dedicando-se integralmente às artes e ao desvelar dos arquétipos gregos, integrando cultura e natureza. Oferece o curso intensivo de Mitologia Através das Lentes Arquetípicas: deusas e deuses re-visitados e produz eventos culturais como workshops em Pintura Corporal Kayapó, O Ator Criativo com Maurice Durozier do Le Théâtre du Soleil (França), pré-estreiou o filme Tamboro, de Sérgio Bernardes, além de estar sempre fazendo uma ponte com estudos ecosustentáveis.

Em julho de 2008, Luciana obteve nova bolsa pelo Ministério da Cultura para apresentar seu artigo “Sítios Arqueológicos de Peixe Angical e Serra da Mesa: Mnemósine submersa ou afogada?”, primeiramente publicado no livro Terra Brasilis: Pré-história e arqueologia da psique, SP: Paulus (2006) e o vídeo-poema “Amada Mnemósine”, na Conferência “Symbols of Personal, Cultural and National Identity – Historical and Psychological Perspectives”, realizado em Zurique, Suíça, organizado pelo IAAP-IAJS-ETH. Foi nesta ocasião que teve o privilégio de conhecer a casa de Jung em Bollingen, que não é aberta para visitantes e considerada o Liber Quartus do recém lançado O Livro Vermelho: Liber Novus.

Em 2015 faz parceria com a Joseph Campbell Foundation, realizando a Mesa Redonda de Mitologia: Grupo de Brasília-DF: Cinema, Mitos & Jazz aos Domingos com Joe! e os Encontros Imaginais de Jung: O Livro Vermelho. Em maio/2018 inaugurará a primeira viagem cultural para o estudo das deusas e deuses com seus alunos nos sítios arqueológicos na Grécia, e prepara novos cursos e projetos para 2017/2018 em Campinas-SP, onde atualmente reside para a realização de seu doutorado em Artes da Cena na UNICAMP.