Borboletas Azuis (1995) é um video de 65 minutos, formato Betacam SP. Foi o primeiro video dirigido por Luciana Aires Mesquita, que estava de partida ao Oriente. Antes da viagem, porém, Luciana teve o cuidado de registrar em imagens a memória de sua cidade natal, Catalão-GO. A música original é de Guilherme Vaz e a realização do CPCE – UnB, com a direção do queridíssimo e excepcional fotógrafo, Fernando Duarte.

Amada Mnemósine (2008), é um video de 7 minutos, dirigido por Luciana Aires Mesquita em parceria com Liloye Boubli. Trata-se de uma reflexão sobre as inundações causadas pelas construções de usinas hidroelétricas em sítios arqueológicos — habitat de nossos ancestrais indígenas que gravaram, em rocha, as primeiras inscrições da alma essencialmente brasileira. Esses registros vêm sendo dramaticamente perdidos pelo impacto das inundações, em total desconsideração de nossa memória ancestral. Mnemósine é a personificação da memória pelos gregos. Na mitologia, esta titânida é a mãe das musas. Sem memória não há arte. As imagens foram gravadas em 1995, por ocasião da expedição para pesquisa de campo realizada por Luciana Aires Mesquita para a peça teatral Oreades, uma adaptação de poemas selecionados da primeira obra de Guimarães Rosa, Magma. Rui Faquini e Elyeser Szturm cederam várias fotografias para composição do vídeo e Liloye Boubli adicionou imagens aéreas. Cláudio Vinícius compôs a trilha musical, Toninho Alves foi nosso câmera e Rodrigo Benevello o editor. Todos trabalharam voluntariamente, meus sinceros agradecimentos. Este trabalho foi apresentado na ETH, Zurique, Suiça.